Dicas

Puberdade precoce e sua relação com problemas de crescimento

O surgimento de características sexuais antes do tempo pode influenciar na estatura final. Vamos entender sobre o assunto!

A puberdade é a etapa da vida em que ocorre algumas mudanças significativas no corpo de meninas e meninos, os preparando para a fase adulta.

De modo geral, o período é marcado pelo surgimento de pelos pubianos, axilares, aumento de oleosidade da pele e acne1. Nas meninas, especificamente, há o desenvolvimento do broto mamário e deve ocorrer entre 8 e 13 anos de idade; já nos meninos, o aumento dos testículos e deve ocorrer entre 9 e 14 anos.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), quando essa etapa começa a dar sinais antes dos 8/9 anos, o caso é considerado puberdade precoce 2.

Vale destacar que esse começo é influenciado por fatores psicológicos, ambientais (estado de nutrição e saúde, condições socioeconômicas, etc.) e genéticos 1.

 

Puberdade precoce: quais são os principais sinais?

O aparecimento de pelos pubianos e axilares em ambos os gêneros é um forte indicativo.

Analogamente, o crescimento das mamas nas meninas e o aumento dos testículos nos meninos – conforme mencionamos acima, pode levar ao diagnóstico. No entanto, esse diagnóstico deve ser feito somente pelo médico após uma análise detalhada.

Além disso, outros sintomas como aumento repentino de estatura e peso, acne e odor corporal também podem indicar o início da maturação sexual 3.

Em caso de quaisquer suspeitas, o Pediatra encaminhará a criança para o Endocrinologista Pediátrico.

 

Puberdade precoce: possíveis impactos na criança

Uma das consequências mais notáveis da puberdade precoce é o comprometimento da estatura final, pois o padrão de crescimento pode ser afetado.

Vamos relembrar a média considerada normal para o desenvolvimento corporal de um indivíduo 4:

Entre o nascimento e o 1º ano de vida: 25 cm/ano;

Entre o 1º e 3º ano: 12,5 cm/ano;

3º ano: 7 a 8 cm;

3º ano até a pré-puberdade: 5 a 7 cm/ano;

Durante a puberdade: 7 cm/ano.

 

Reforçamos que cada criança cresce de uma maneira. Entretanto, quando o caso está muito fora da média, é um sinal de alerta para procurar ajuda médica.

 

Hormônios sexuais atuantes no processo

No caso das meninas, o período envolve a produção de progesterona e estrogênio; enquanto nos meninos ocorre a produção de testosterona.

 

Puberdade precoce e suas manifestações variáveis

Os sintomas da puberdade precoce podem variar entre as crianças.

Só para exemplificar: uma menina de 7 anos tem como principal sinal o aumento dos seios, enquanto outra menina com a mesma faixa etária terá o ganho adiantado de pelos pubianos e axilares.

Portanto, cada detalhe deve ser constantemente observado.

 

Prováveis causas para a puberdade precoce

O aumento antecipado dos níveis de hormônios sexuais no sangue pode ser provocado pelo uso de determinados medicamentos ou por alguma alteração nas glândulas da criança 2,5. Um exemplo comum de possível alteração é na chamada glândula pituitária (também conhecida como hipófise), cuja principal função é regular as demais glândulas – tireoide, suprarrenal, testículos (meninos) e ovários (meninas).

Salvo que condições genéticas não devem ser descartadas em um primeiro momento. Se a mãe de uma menina menstruou mais cedo do que o normal ou há casos na família paterna, a tendência é que ela também passe pela menarca (primeira menstruação) mais cedo 2.

Da mesma maneira, o fator obesidade pode influenciar 6. Tudo precisa ser levado em consideração até a avaliação criteriosa de um especialista.

 

A maturação sexual adiantada e os desreguladores endócrinos

Alguns agentes externos possuem a capacidade de modificar o funcionamento do sistema endócrino-hormonal, e estão presentes em agrotóxicos e materiais como o plástico7.

Dentre os principais suspeitos de desreguladores endócrinos, destacamos o Bisfenol A, comumente visto em plásticos e embalagens – como latas de refrigerante, por exemplo.

Inclusive, é importante frisar que em 2011, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a produção de mamadeiras com a presença do Bisfenol A devido ao risco iminente às crianças8.

 

Qual é o melhor tratamento para a puberdade precoce?

Para quadros de puberdade precoce central (PPC), injeções mensais ou trimestrais que liberam hormônios que regridem a puberdade e atrasam o desenvolvimento do esqueleto são as mais indicadas e proporcionam uma altura final satisfatória na vida adulta 2.

A previsão é que o tratamento seja mantido até os 12/13 anos de idade, aproximadamente, período em que a criança já está preparada para se desenvolver de fato.

Em outros casos, o Endocrinologista Pediátrico pode apontar a necessidade de uma cirurgia para retirada do foco do problema; por fim, mas não menos importante, é possível que nenhum tratamento seja indicado, pois o organismo ficará responsável por solucionar a questão e, dessa maneira, somente o acompanhamento médico será necessário.

Não dispense as consultas periódicas com o Pediatra e esteja sempre atento(a) aos sinais.

Conte com a gente!

 

Até a próxima,

Time Além da Altura

 

*Sempre procure orientações médicas. Os conteúdos disponíveis neste site são exclusivamente para fins informativos e, de forma alguma, substituem a avaliação detalhada do Endocrinologista.

Leia nossos conteúdos relacionados:

Como identificar problemas de crescimento infantil?
7 dicas para seu filho(a) crescer saudável!
Síndrome de Turner: o que é e como tratar?

—–

Referências Bibliográficas:

  1. Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento, Disciplina de Endocrinologia e Metabologia, Departamento de Clínica Médica, Laboratório de Hormônios e Genética Molecular LIM/42, Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). Avanços na etiologia, no diagnóstico e no tratamento da puberdade precoce central. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.scielo.br/j/abem/a/xKGppnB4BTSZsYbDPBmhxCH/?format=pdf&lang=pt.
  2. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Departamento Científico de Endocrinologia – Puberdade Precoce. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/desenvolvimento/puberdade-precoce/.
  3. Manual MSD – Versão para Profissionais de Saúde. Pediatria – Distúrbios Endócrinos em Crianças – Puberdade Precoce. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/pediatria/dist%C3%BArbios-end%C3%B3crinos-em-crian%C3%A7as/puberdade-precoce.
  4. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Crescimento – Departamento Científico de Endocrinologia. [Acesso em setembro de 2021]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/desenvolvimento/crescimento/#:~:text=a)%20Nascimento%20%E2%80%93%201%20ano%20de,a%2012%20cent%C3%ADmetros%20ao%20ano.
  5. MADEIRA, Isabel. Departamento de Pediatria. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Puberdade Precoce (Artigo de Revisão). [Acesso em setembro de 2021.] Revista HUPE, Rio de Janeiro, 2016;15(2):155-162. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rhupe.2016.28241.
  6. CAVALCANTE CJV, CORREIA LL, DAMIANI D. Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de São Paulo (USP), 2014. Puberdade precoce: condições associadas. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/2325.
  7. Luciana Pinto Valadares e Alessandra Christine Vieira Pfeilsticker. Artigo Especial – Desreguladores endócrinos e desenvolvimento puberal humano. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/rbm.org.br/pdf/v49n3a07.pdf.
  8. Revista Veja. Como manter o Bisfenol A longe de seu filho, 14/10/2011. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://veja.abril.com.br/saude/como-manter-o-bisfenol-a-longe-de-seu-filho/.

BR2111096636