Dicas

Confira 5 fatores que influenciam o crescimento infantil

O processo de desenvolvimento corporal é complexo e exige atenção aos detalhes. Entenda!

Se alimentar bem, dormir bem, brincar bastante… quem nunca escutou que essas “tarefas” são essenciais para o desenvolvimento físico de uma criança? Já reforçamos que sim, mas aqui, te contaremos o porquê disso.

Além do mais, é importante saber que há outros pontos sobre o tema que precisam de atenção.

Vamos entender melhor juntos?

A seguir, confira 5 fatores que influenciam o crescimento infantil:

 

Fatores que influenciam o crescimento infantil #1: Genética

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), cerca de 80% da estatura final de um indivíduo é determinado pelo tamanho dos pais 1.

Nesse sentido, geralmente, a estatura-alvo* é calculada pela seguinte fórmula:

Meninos = Altura da Mãe (cm) + (Altura do Pai (cm) + 13) / 2

Meninas = Altura da Mãe (cm) + (Altura do Pai (cm) – 13) / 2

* A estatura-alvo – também conhecida como altura-alvo – é obtida através de um cálculo para verificar se o percentil de desenvolvimento corporal da criança é o esperado para sua idade.

 

No entanto, não existe um gene único de crescimento. O que acontece é a interação entre diversos genes presentes no corpo humano e, cada um deles, ainda que em mínimas parcelas, contribuem de alguma forma para a estatura final. Aproximadamente 423 desses genes são espalhados pelos cromossomos e influenciam o processo 1.

 

Fatores que influenciam o crescimento infantil #2: Noites de sono

No nosso post sobre dicas para seu filho crescer saudável, enfatizamos a importância de um bom descanso noturno para uma criança, uma vez que o hormônio de crescimento (GH) é produzido e enviado para o organismo durante o estágio mais profundo do sono ao decorrer da noite 2.

Ademais, não adianta compensar noites mal dormidas com as populares sonecas da tarde, considerando que dormir durante o dia não causa o mesmo efeito. Via de regra, um indivíduo que não descansa como deveria apresenta sinais como ansiedade, dificuldades de concentração e aprendizado, prejuízos na memória, entre outros fatores que prejudicam o bem-estar 3.

Os padrões de sono variam conforme as etapas da infância. Todavia, a média aceitável para uma criança é de 10h a 12h 2.

 

#3: Nutrição x obesidade

Uma alimentação equilibrada com vitaminas e minerais é indispensável para atingir um potencial satisfatório de desenvolvimento 4.

Ao passo que, por diversos motivos, a obesidade é um fator de atenção no crescimento infantil.

De modo geral, uma criança obesa pode crescer até mais do que o previsto para determinada fase 5. Entretanto, isso não quer dizer que ela será alta na vida adulta, porque ocorre apenas o avanço da idade óssea. Sendo assim, se você perceber a combinação entre o ganho excessivo de peso X descontrole na velocidade de crescimento (seja lento ou rápido demais), marque uma consulta com o Pediatra e esclareça suas dúvidas. Afinal, essa combinação pode ser um indicativo para problemas como 6:

  • Hipotireoidismo;
  • Síndromes genéticas;
  • Deficiência no hormônio de crescimento (Growth Hormone – GH), entre outros.

 

#4: Idade óssea

Falando em idade óssea, é necessário saber que algumas causas podem prejudicar seu avanço adequado ao decorrer dos anos 7. Exemplos comuns:

  • Puberdade precoce 7;
  • Puberdade tardia;
  • Obesidade 6;
  • Deficiência de GH – conforme citamos anteriormente;
  • Hipertireoidismo, etc.

O devido acompanhamento com o médico pode levar ao diagnóstico e tratamento de distúrbios do crescimento.

#5: Um desenvolvimento saudável é multifatorial, então necessita de assistência médica

Por fim, cada caso é muito específico e precisa de uma avaliação clínica detalhada. Em consultas periódicas (a cada 6 meses, pelo menos), o Pediatra levará em consideração a rotina de sono e alimentação da criança, seu estado emocional, sua genética e suas curvas de crescimento (avanço da estatura), entre outros fatores.

Desse modo, em caso de quaisquer suspeitas de distúrbios do crescimento, o(a) paciente será encaminhado para o Endocrinologista Pediátrico, responsável pelo diagnóstico e tratamento de disfunções hormonais.

Proporcionar um desenvolvimento saudável é um verdadeiro desafio, mas lembre-se: você não está sozinho(a) nessa. Conte com a gente!

Até a próxima!

Time Além da Altura

 

*Sempre procure orientações médicas. Os conteúdos disponíveis neste site são exclusivamente para fins informativos e, de forma alguma, substituem a avaliação detalhada do Endopediatra.

 

Leia nossos conteúdos relacionados:

Como identificar problemas de crescimento infantil?
7 dicas para seu filho(a) crescer saudável!
Síndrome de Turner e outras causas para a baixa estatura em crianças

—–

Referências Bibliográficas:

  1. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) filiada à Associação Médica Brasileira. Departamento Científico de Endocrinologia – Crescimento. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2016/09/CrescimentoVe8.pdf.
  2. Pedro A. Magliarelli Filho, otorrinolaringologista. Hospital Israelita Albert Einstein. Especialidades – Medicina do Sono – Sono Normal. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.einstein.br/especialidades/medicina-do-sono/sono-normal.
  3. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Higiene do Sono – Departamentos Científicos de Adolescência e do Sono. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/desenvolvimento/higiene-do-sono/.
  4. Universidade Federal de Pelotas – Programa de Pós-graduação em Epidemiologia. Intervenções nutricionais e crescimento infantil em crianças de até dois anos de idade: uma revisão sistemática. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/fgsVDBR69z33p7xKPYYh3cm/?format=pdf&lang=pt.
  5. Journal of Human Growth and Development – Portal de Revistas da USP, V. 27 N. 1 (2017). Relação da idade óssea e marcadores hormonais com a capacidade física de adolescentes (Relationship between bone age, hormonal markers and physical capacity in adolescentes). [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/127658.
  6. Boletim Científico de Pediatria da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul. Fatores de risco cardiovasculares, metabólicos e inflamatórios e suas relações com obesidade em crianças e adolescentes: aspectos clínicos e terapêuticos. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/13066/2/Fatores_de_risco_cardiovasculares_metabolicos_e_inflamatoriose_e_suas_relacoes_com_obesidade_em_criancas_e.pdf
  7. Jornal de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Advanced bone age as an indicator facilitates the diagnosis of precocious puberty. J Pediatr (Rio J). 2018;94(1):69-75. [Acesso em setembro de 2021.] Disponível em: https://www.scielo.br/j/jped/a/FrwHjMTCmfRv6h8X9scNBHR/?format=pdf&lang=pt.

BR2111096636